CORONAVÍRUS E SUA PROTEASE PRINCIPAL: UMA VISÃO PARA O PLANEJAMENTO DE FÁRMACOS POR DOCAGEM MOLECULAR

Autores

  • Simone Queiroga Universidade Federal do Espírito Santo - UFES, Campus Goiabeiras
  • Eloi Alves da Silva Filho Universidade Federal do Espírito Santo - UFES, Campus Goiabeiras
  • Osmair Vital de Oliveira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP, Campus Catanduva
  • Arlan da Silva Gonçalves Universidade Federal do Espírito Santo - UFES - Campus Goiabeiras, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo - IFES - Campus Vila Velha

DOI:

https://doi.org/10.36524/ric.v6i1.626

Palavras-chave:

Coronavírus, Protease, Docagem molecular

Resumo

Muitos vírus precisam que seus grupos sulfidrila sejam reduzidos para que seja permitida sua entrada nas células. O SARS-CoV-2, que pertence à família Coronaviridae, e é o causador da doença coronavírus 2019 ou COVID-19, apresenta em seu capsídeo proteínas ricas em cisteínas, como a principal protease do CoV (MPRO), que deve estar intacta e ativa, mantendo a atividade viral. Considerando que a MPRO constitui um importante alvo molecular para o desenvolvimento de medicamentos antivirais, a motivação deste trabalho foi o estudo estrutural dos possíveis modos de interação entre os fármacos e as cisteínas virais, pela técnica de docagem molecular, para o planejamento racional de novos potenciais inibidores de MPRO e de sua virulência.

Publicado

2020-06-13

Como Citar

Simone Queiroga Brito Gonçalves, Eloi Alves da Silva Filho, Osmair Vital de Oliveira, & Arlan da Silva Gonçalves. (2020). CORONAVÍRUS E SUA PROTEASE PRINCIPAL: UMA VISÃO PARA O PLANEJAMENTO DE FÁRMACOS POR DOCAGEM MOLECULAR. Revista Ifes Ciência , 6(1), 63-72. https://doi.org/10.36524/ric.v6i1.626

Edição

Seção

Artigos científicos